[apoiadores] Meu terceiro apoiador: Lauro, o vendedor da praia.

Em uma terça-feira de dezembro, recém-chegada em Salvador, cá estava em na praia do Porto da Barra com uma chuva que não passava. Cerca de duas horas depois o meu querido sol aparece é, estava sofrendo em Florianópolis, ou não tinha sol ou tinha sol e eu não podia ir
Esse foi o dia que saí de casa com o espírito de conversar com quem me desse trela na rua, o que ocasionou em eu conhecer Ricardo, o cara que cuidava das cadeiras/serviço de praia onde eu fiquei e Lauro, o vendedor de bolsinhas (estilo pochete para carnaval, para colocar embaixo da roupa). Hoje o protagonista da história será Lauro, aquele que parou para ouvir minha história da África.
Estávamos eu, Tunísia e Louise quando eu vejo Lauro passando com as bolsinhas lembrei automaticamente do carnaval e também lembrei da Duda que vem pra cá pela primeira vez curtir: seria bom ela adquirir uma dessas e automaticamente eu perguntei o preço, até para sondar o valor, já que eu ainda tenho a minha dos tempos de foliona mas nem sei por quanto comprei. O material das bolsas de Lauro são mais resistentes, fazendo com que eu ficasse mais curiosa para saber o preço.
Pergunto o preço e ele me fala que custa 5 reais, mas que faria por 4 reais para mim. Bem como não estava interessada em comprar naquele dia a bolsinha, recusei, mas mesmo assim começamos a conversar. Conversa vai, conversa vem, chegamos na África. Comecei minha lábia para transformá-lo de vendedor a apoiador da minha causa, e uma vendedora de camisas com estampas artesanais de mulheres africanas para para participar da conversa.
Percebi que ainda conhecemos tão pouco sobre o continente que alguns falam que é país que temos raízes…percebi o quanto eu ainda não sei quase nada sobre a África. Mas fiquei feliz! Fiquei feliz pelo fato de terem pessoas abertas a conhecer o desconhecido, de ser curiosos e tentar, falar errado e ouvir para se informar. Foi uma experiência muito boa e, olha, na praia…eu não daria nada por esse dia e me surpreendi.
Me surpreendi mais ainda quando Lauro, após nossa intensa conversa sobre a África e meus anseios, ele pegar a bolsinha e dizer: toma, essa é para colocar seu passaporte e seu dinheiro quando você viajar. Ah, como eu fiquei feliz. Feliz por alguém, nos tempos de hoje, se sensibilizar com uma história de uma desconhecida e ajudar, doar.
Enfim, Lauro, saiba que você não passará despercebido. Saiba que naquele dia você ganhou uma pessoa que vai lembrar de você e vai te passar energias positivas. Meu muito obrigada a você.
Beijos.