[Confissão] Sobre ansiedade e a arte do Coronavírus de mudar todos os planos

Quando toda a vida está planejada e o Coronavírus chega, a gente percebe que a gente não controla mesmo é nada.

Preciso escrever meus capítulos, preciso fazer minha pesquisa de campo em Ruanda. Foi quando a ansiedade começou a intensificar. Eu já estava em um confinamento técnico quando meus amigos foram embora de um mês de fevereiro maravilhoso e que eu sabia e entrei em uma imersão profunda a escrever meus capítulos da tese. Estava atrasada.

Ficava mais tempo dentro de casa do que fora para adiantar o que dava adiantar antes de fazer a pesquisa de campo, estava tentando me animar porque é meu último ano de doutorado. Último. Não dá pra brincar agora, realmente preciso escrever essa pemba. Só que de umas semanas para agora o contexto externo mudou. O que eram a princípio suspeitas passaram a ser casos, o que eram casos, passaram a ser mortes. O pânico se instalou. Eu entrei em pânico.

woman-holding-a-poster-with-anxiety-3952190
Quando isso vai acabar? | Photo by cottonbro from Pexels

Ficar isolada para alguém que tem ansiedade não é nada fácil, imagina para alguém que tem ansiedade e ainda tem prazos. Imagina para alguém que não estava tão mentira, não estava MESMO motivada a voltar para sua cidade natal e ficar em confinamento. Crises de ansiedade a noite, volto a estudar pela manhã. Crises de ansiedade a noite, volto a estudar pela manhã. Tenho a ideia do My Ruanda Colab, tenho um pouquinho de esperança de conhecer novas pessoas e nos ajudar mutuamente, volto a estudar de manhã.

Já li inúmeros posts sobre o que fazer na quarentena, muitas das coisas eu não me animo em fazer. Tenho estudar, não consigo me concentrar; tento ler livros interessantes, fora do meio acadêmico, não consigo me concentrar. Sigo com minha terapia, que bom! Tento ver séries, não consigo parar; tento ver os materiais do My Ruanda Colab, aí eu consigo me concentrar um cadinho. Comecei a fazer Yoga online, aí eu me animei um pouquinho (Canal da Pri Leite, dá uma conferida). E tenho seguido nessa rotina diária, alternando um pouco das coisas.

Eu agradeço imensamente por não estar sozinha fisicamente e online, porque eu acredito que seria ainda pior lidar com essa situação. E gente, não está sendo nada fácil para ninguém, isso eu tenho certeza.  Mas é isso, a esperança de que tudo isso vai passar é a que fica. E eu vou fazendo o melhor que eu posso para lidar com a situação e tentando ser gentil comigo mesma, não exigindo a produção tão esperada como é na academia.

E me ofereço para estar caminhando com vocês, seja pelo My Ruanda Colab ou por conversas no privado, ou com qualquer coisa que seja.

Sobre minha primeira consultoria no My Ruanda Colab

E tenho que ser sincera: a vida é mais linda compartilhando conhecimento e experiências de vida com outras pessoas.

Quinta-feira, 19 de março de 2020. Lancei o projeto My Ruanda Colab. O que seria isso? Um projeto de consultoria que há anos queria fazer, mas pensava que não tinha a capacidade/expertise/whatever para fazer; não tinha coragem de tocar um projeto por mim mesma. É a vontade de ajudar pessoas na área de Relações Internacionais a se desenvolverem, encontrar “caminho dos seus sonhos” (pode parecer clichê, mas é); é colocar projetos em prática; é sentir aquela vontade de colocá-los em prática. É compartilhar. Colaborar. My Ruanda Colab.

Hoje foi a minha primeira sessão fazendo isso. Como eu me senti firme, como eu me senti forte. Mas antes, algumas horinhas antes, me bateu um nervoso…como eu iria ajudar a pessoa se eu nem sabia como ajudar a mim mesma? kakakakakakaka. Como eu poderia dar informações precisas a pessoa, se eu não sou dona da verdade? E não sou, claro. Mas tudo isso passou quando eu vi o Diego na telinha, com aquele sorrisão, com vontade de compartilhar também.

DSC01524
Meus rabiscos eloquentes conversando com Diego

Senti que era isso que eu queria da minha vida. Compartilhar com pessoas. E acho que, no fundo no fundo, o medo de seguir a carreira acadêmica, de ser professora e estar ali pelo aluno, com o aluno, foi questionado hoje quando eu senti essa alegria enorme de falar com ele. Da gente estar ali, trocando, nos escutando, pensando juntos, criando ideias, soltando ideias. Eu quero isso mais vezes.

Mas não pense que isso é tão fácil. Falando aqui agora, pensei em um outro post sobre a dificuldade de colocar os projetos em prática: e não é fácil. Às vezes não dá aquele ânimo fazer tudo sozinha – ou você não tem condições (financeiras, temporais, etc etc) para fazer tudo sozinha -, às vezes o ambiente não é favorável pra você colocar em prática o que você está pensando, às vezes você não tem (ou também não sabe) as ferramentas necessárias para colocar o plano/projeto/ideia em prática. E isso é desestimulante.

Mas eu acho que é isso, é encontrar pessoas inspiradoras que nos façam caminhar para frente. Que torçam por nós, queiram compartilhar conosco. Acho que isso dá uma fortaleza para a gente tocar os projetos, nos sentir vivos. Mas enfim, esse é um tema para um outro post porque isso vai dar pano pra manga, hahahaha.

Go Rwanda, My Ruanda!